estradas perdidas

Atrás de casa, encoberta por tufos de erva daninha, silvas e bidões abandonados, o comboio de janelas iluminadas vinha das Quintãs e silvou depois do túnel em curva, em direcção a Aveiro. Ali ao lado há uma estrada, a minha primeira estrada. Mulheres e homens cruzam-na impelindo teimosamente os pedais das bicicletas. Junto à vitrine de um pronto-a-vestir lê-se "Modas Katita". De uma taberna, saem dois homens que se dirigem para duas Famel-Zundapp. Estrada perdida.

2005-05-23

Um fenómeno chamado Jack Johnson

O Coliseu dos Recreios recebeu, sábado à noite, o cantor surfista hawaiano Jack Johnson e acabou varrido por uma verdadeira onda teenager. A maioria do público, muito jovem, que abarrotou camarotes, encheu a plateia e transformou a sala numa festa colectiva parecia ter chegado directamente da Praia de Carcavelos. Vestidas de roupas garridas, muitos verdes, brancos e cor de laranja, as raparigas das primeiras filas foram as mais incondicionais, cantando de cor os versos das canções de “Brushfire Fairytales” (2001), “On and On” (2003) e do recente “In Between Dreams”, lançado em Março.
Depois de uma primeira parte conseguida do amigo e também surfista Donavon Frankenreiter, Jack Johnson não precisou de dizer nada para entusiasmar os fãs. Bastou começar os acordes de “Never Know” e os versos “I heard this old story before where the people keep on killing for their metaphors”.A partir daí, foi um desfiar de canções todas elas entre o folk e o reggae, a plateia escura onde ponteavam as luzes de dezenas de telemóveis espetados em direcção ao palco. Por vezes, Jack ficou a tocar a viola e deixou a audiência cantar, ouvindo-se especialmente as vozes femininas.
Quando Jack Johnson ergueu em palco um cartaz de umas fãs, a sala parecia vir abaixo com gritinhos. Os melhores momentos do concerto acabariam por ser os finais, quer quando Donovan e os elementos da banda se juntaram em palco a Jack Johnson, quer quando Jack utilizou, primeiro o acordeon e depois o bem hawaiano ukulele. Foi precisamente com o som de um acordeon que Jackson e Donovan nos presentearam com o regaee “Girl I wanna lay you down”, do EP “Some Live Songs” (2004).
Quando Jack Johnson saiu do palco, o Coliseu quase veio abaixo envolto em gritos a raiar a histeria e em sonoras pateadas que faziam estremecer os camarotes. O surfista regressou para cantar entre outros temas “Other way”, pôr as primeiras filas ao rubro quando desceu do palco e cumprimentou o público à frente e tudo terminou em beleza com “Better together”, toda a gente a cantar “there is no combination of words I could put on the back of a postcard...”

2 Comments:

  • At 11:51 da tarde, Anonymous Sequeira said…

    Ehehehe Eu estive lá!!!

    Alto concerto apesar da faixa etária ser na sua maioria bem baixa;

    Grande Jack e grnade Donavon!!

    P.S. a meio do artigo escreveu "Jackson"...ok é uma mistura do nome e do apelido do homem :)

    P.S.2 é uma consola :)

    P.S.3 continue com o bom trabalho neste blog,leio-o diariamente e qq dia explico onde o descobri e pq o sigo atentamente!

     
  • At 1:37 da tarde, Blogger NUNO FERREIRA said…

    Obrigado

     

Enviar um comentário

<< Home