estradas perdidas

Atrás de casa, encoberta por tufos de erva daninha, silvas e bidões abandonados, o comboio de janelas iluminadas vinha das Quintãs e silvou depois do túnel em curva, em direcção a Aveiro. Ali ao lado há uma estrada, a minha primeira estrada. Mulheres e homens cruzam-na impelindo teimosamente os pedais das bicicletas. Junto à vitrine de um pronto-a-vestir lê-se "Modas Katita". De uma taberna, saem dois homens que se dirigem para duas Famel-Zundapp. Estrada perdida.

2005-02-20

Ficções do País Obscuro

Lisboa, ex-capital do império e do país obtuso, perdão, obscuro mais divertido do mundo, está a atrair um novo tipo de turistas. “Este é o tipo de pessoas que estão definitivamente cansados e enjoados com o perfeccionismo da nova arquitectura de cidades como Toronto ou Osaka, só para dar dois exemplos. Os que as compele a vir aqui é isto”, afirma Robert Newman, co-fundador da UP agency ( “Unbelievable Places”), exibindo a sola do sapato com uma estampa de felicidade no rosto. “Está a ver? Onde é que você tem este pedaço ressequido de merda de cão em Estocolmo, em Oslo, em Vancouver? É este o nosso mercado!”
Fomos encontrar Newman liderando um grupo de entusiasmados turistas alternativos observando extasiados a muito lisboeta Feira Popular: “Aqui, o mundo está em suspenso. Parou e avança quando e se vocês quiserem. Ninguém sabe quem é responsável por ou quem se responsabilizará por…é admirável, o conceito português da suspensão, é admirável. Nunca a irresponsabilidade foi levada tão longe…Simplesmente magnífico”.
O grupo de uma trintena de turistas vindos de cidades tão díspares como Tokio, Sidney, Montreal e Helsínquia cirandou pelo labirinto metálico da Feira Popular com a paixão dos coleccionadores. “Você não pode imaginar”, explicava o japonês Shiori Fujisaki, “ esta é a minha primeira feira de diversões que não funciona e esta é a primeira capital que eu conheço onde a principal feira não funciona!” Ao lado, a esposa, Yuri Kimuri, cujo testemunho não pudemos recolher uma vez que só falava a língua materna, fazia que sim com a cabeça enquanto ria muito, mesmo muito, até demais.
“Olhem para isto”, dizia Ken Garfield, de Vancouver, “está tudo parado. Curtam-me esta suspensão. Eu abro as narinas e tudo o que sinto é esta sensação maravilhosa, uma mistura enebriante de irresponsabilidade, decadência e doce fare niente. Aqui, sim, aqui sinto-me bem”. A seu lado, Newman não quis deixar de explicar: “Ken já está connosco há algum tempo, já integrou bem a nossa noção de suspensão, cidade suspensa. Vai dar um bom guia se continuar connosco”.
O grupo viajou depois até ao túnel do Marquês onde Robert Newman se empoleirou numa máquina das obras e falou ao grupo antes da visita. “O que vocês vão ver aqui é uma obra em total suspensão”, explicou, um sorriso deliciado nos lábios.” Pode parar, pode acabar, pode não terminar, pode arrancar rápida e subitamente porque um político assim quis ou precisa de vencer eleições. Ninguém sabe…” Um casal de Helsínquia, muito branco, muito loiro e muito simpático, Miko Heinamaki e Liisa Siltanen, não parou de fotografar uma tarja toda suja e encardida onde se lia: “Lisboa vai ficar mais bonita”.
O grupo de turistas da “UP” não pôde esconder o desapontamento quando foi informado que não seria possível visitar o túnel do metro em frente à Praça do Comércio. “Oh, dizem que já foi possível ver lá peixes e moluscos, é verdade?”, perguntava Pierre Montaigne, de Montreal, desiludido por não poder usar o escafandro que trouxe do Canadá. “Está seco, está sem utilização mas está seco, ok? Não vamos também deixar-nos contaminar pela euforia. Sabemos que esta é uma cidade suspensa e irresponsável mas vamos com calma”, sublinhou Newman, algo irritado.
Os turistas tiveram ainda a possibilidade de visitar o local onde poderá existir ou não a ponte Trafaria-Belém e apreciaram, já no Jardim do Tabaco, a doca de atracamento de cruzeiros. “Foi anunciada, não existe, está suspensa!”, gritou Newman eufórico. O anúncio foi recebido com palmas e gritos de “uau” por parte do grupo.
Ao longo da tarde soalheira, o grupo pôde ainda deliciar-se com mais pormenores magníficos. “Quem é responsável por esta obra?”, perguntava o cicerone aos turistas, em frente a uma obra ilegal na zona do Príncipe Real, “ninguém sabe…sim-ples-men-te ninguém sabe! Eis a suspensão em toda a sua plenitude!”
Quem não pareceu apreciar a visita foi um homem forte, atarracado e cimento pintalgado nas calças, a pegar num pedaço de madeira com pregos enferrujados: “Eu digo-te quem é o responsável por esta obra. Mas que é esta merda? Toca a basar daqui!”

3 Comments:

  • At 9:34 da tarde, Blogger Maria said…

    É um facto! A realidade que temos é triste, diria até degradante, mas ao ler este texto apenas pude sorrir e pensar: Brilhante! Não o caos que envolve o país mas a crítica cirúrgica que, aqui, é apresentada! Brilhante, sem dúvida!
    Hoje, dia de eleições que se esperam determinantes no futuro que nos é reservado, resta-nos a esperança que esta "suspensão", de Lisboa e de Portugal, seja o mais breve possível!

     
  • At 3:05 da tarde, Blogger desprezo said…

    Realmente, o Euro 2004 melhorou muito a imagem de Portugal no estrangeiro!

     
  • At 12:39 da manhã, Anonymous Gabriel Braga said…

    Antes de mais, deixa-me dar-te os meus parabens por este texto espectacular.
    Mas sinto-me realmente triste quando leio textos deste tipo, quando fazem criticas a Portugal, tao fortes como esta. sei que sao criticas verdadeiras e precisas, para ver se alguem abre os olhos, para ver se realmente saimos desta estagnaçao e começamos finalmente a evoluir, mas sou portugues "carago"! sinto o meu orgulho ferido quando falam mal do meu país. Mas que é necessário criticar, lá isso é. e se forem criticas deste tipo e desta categoria, entao que venham elas. :)

     

Enviar um comentário

<< Home