estradas perdidas

Atrás de casa, encoberta por tufos de erva daninha, silvas e bidões abandonados, o comboio de janelas iluminadas vinha das Quintãs e silvou depois do túnel em curva, em direcção a Aveiro. Ali ao lado há uma estrada, a minha primeira estrada. Mulheres e homens cruzam-na impelindo teimosamente os pedais das bicicletas. Junto à vitrine de um pronto-a-vestir lê-se "Modas Katita". De uma taberna, saem dois homens que se dirigem para duas Famel-Zundapp. Estrada perdida.

2005-12-06

FADO LUSITANO

untitled
Fez-se uma revolução para acabar aqui, neste tremendo e insuportável bocejo, nesta modorra que nos obriga a mudar de canal. Nada de novo no Arkansas europeu.

3 Comments:

  • At 12:13 da manhã, Blogger Carlos Azevedo said…

    Tem toda a razão. E não o digo com contentamento...

     
  • At 12:20 da manhã, Blogger Luís said…

    Bocejo é a palavra que melhor define os 5 minutos que aguentei ver ontem.
    Tudo demasiado preparado e ponderado, sem energia e com medo um do outro.Péssimo mesmo!Tens razão, assim é a nossa democracia.
    Abraço

     
  • At 1:43 da tarde, Blogger Bárbara Vale-Frias said…

    Os moldes do debate também não ajudam muito, pois não? Os candidatos precisavam de estar mais soltos nas suas intervenções e nas respostas ao adversário. Eu confesso que, a certa altura, preferi ver a telenovela da Sic LooooooooL

     

Enviar um comentário

<< Home