estradas perdidas

Atrás de casa, encoberta por tufos de erva daninha, silvas e bidões abandonados, o comboio de janelas iluminadas vinha das Quintãs e silvou depois do túnel em curva, em direcção a Aveiro. Ali ao lado há uma estrada, a minha primeira estrada. Mulheres e homens cruzam-na impelindo teimosamente os pedais das bicicletas. Junto à vitrine de um pronto-a-vestir lê-se "Modas Katita". De uma taberna, saem dois homens que se dirigem para duas Famel-Zundapp. Estrada perdida.

2005-10-09

AUTÁRQUICAS

É hoje, não é? Que vençam os melhorzinhos, que percam os que roubaram e que tenham todos um dia muito feliz. E, ah, é verdade, e que tratem de limpar a tralha que andaram a espalhar por aí, com declarações de amor às vilas e à região e o camandro...que falta de pachorra...

1 Comments:

Enviar um comentário

<< Home