estradas perdidas

Atrás de casa, encoberta por tufos de erva daninha, silvas e bidões abandonados, o comboio de janelas iluminadas vinha das Quintãs e silvou depois do túnel em curva, em direcção a Aveiro. Ali ao lado há uma estrada, a minha primeira estrada. Mulheres e homens cruzam-na impelindo teimosamente os pedais das bicicletas. Junto à vitrine de um pronto-a-vestir lê-se "Modas Katita". De uma taberna, saem dois homens que se dirigem para duas Famel-Zundapp. Estrada perdida.

2005-03-16

VENHAM REFRESCAR ESTA ESPELUNCA

Um estudo da União Europeia indica que seis em dez portugueses estão contra a entrada no país de mais emigrantes. Quer-se dizer, então eu estou orgulhosamente no grupo dos quatro em dez portugueses que querem mais. Queremos mais! Moldavos e moldavas, mongóis, piauenses, maranhenses, eslovacas, russos e russas, americanos e venezuelanas, polacas, camaroneses, australianos, alemães, franceses, espanhois, moçambicanos, costariquennhos, esquimós, turcos, cariocas, paulistas, magrebinos, suevos, visigodos, brancos, negros, albinos, altos e magros. Venham! Se o barco se desequilibrar há muitos fascistas para mandar para fora do barco.

2 Comments:

  • At 12:49 da manhã, Blogger Fernando Moreira said…

    estás e eu estou contigo, sem medo de nada, nem de ninguém!

     
  • At 6:55 da tarde, Blogger Simplesmente 20 =) said…

    Com essa estatistica... então é bem possível que ames um fascista, um imigrante, e uma pessoa com a mesma opinião que tu. Quem pulava pa fora do barco do teu carinho?

    =)

     

Enviar um comentário

<< Home