estradas perdidas

Atrás de casa, encoberta por tufos de erva daninha, silvas e bidões abandonados, o comboio de janelas iluminadas vinha das Quintãs e silvou depois do túnel em curva, em direcção a Aveiro. Ali ao lado há uma estrada, a minha primeira estrada. Mulheres e homens cruzam-na impelindo teimosamente os pedais das bicicletas. Junto à vitrine de um pronto-a-vestir lê-se "Modas Katita". De uma taberna, saem dois homens que se dirigem para duas Famel-Zundapp. Estrada perdida.

2005-12-29

"Oh vizinho..."

O rádio do táxi debita uma voz feminina: "Carro mal estacionado na rua..." O taxista pergunta se pode fumar, tira um cigarro do bolso, explica que não devia, não devia mas fuma para aliviar a maldita tensão e stress e aborrecimento de estar ali preso e perdido no trânsito. "Carro mal estacionado uma ova...isto é a nossa senha para indicar que está lá a polícia de trânsito. Sabia? Noutras cooperativas é fogo em tal parte..." Mas isso implica muitos incêndios ao longo do dia. "Mas é verdade, é verdade..." A voz feminina atrás do rádio da central de táxis chama agora um táxi à Rua X. "Uh, esta é uma brasileira... vai começar agora a fazer o serviço... Uma vez fui lá buscá-la, andei com ela a tarde toda. Foi ao Hotel Penta, ficou lá uma hora. E eu esperei. Depois, fomos para um hotel no Estoril. Mais uma ou duas horas. Depois, viemos para Lisboa, outro hotel, mais uma hora. Uhhh...ela fez a folha dela e eu a minha..." O taxista tem o baú repleto de memórias e mulheres em serviço não faltam. "Ui e quando transportei uma vizinha minha. Eu moro na Venda Nova e ela também mas ela não reparou logo que eu a conhecia. Mulher casada, de boa posição. Levei-a a um hotel, depois a outro. Quando íamos a chegar outra vez à Venda Nova é que ela me reconheceu. Ficou toda encavacada: Ai vizinho, não diga nada... Eu disse logo: Por amor de Deus, esteja descansada...ai, a minha vizinha..."

1 Comments:

Enviar um comentário

<< Home